Publicado em 20 de agosto de 2019 por Laura Quariguazy - Notícia
Fornecedor admite fraude de milhões em venda de “caranguejos falsificados”
O ex-proprietário da Neill's Seafood, se declarou culpado de falsificar a marca de 179.872 libras de carne de caranguejo no valor de mais de US $ 4 milhões

Nos últimos anos, a venda de frutos do mar considerados fraudados vem tomando conta das prateleiras – e das notícias – de vários países, principalmente nos Estados Unidos. Isso porque está se tornando cada vez comum a venda de produtos rotulados erroneamente – e de propósito. A mais recente polêmica envolve caranguejos falsificados

No Brasil, apesar da legislação mais rígida, isso também acontece. Um exemplo é quando comemos peixe salmonado no lugar do verdadeiro salmão. Veja, na reportagem do jornal O Tempo, mais informações.

Caranguejos falsificados

No início desta semana, Phillip R. Carawan, ex-proprietário da Neill’s Seafood, se declarou culpado de falsificar a marca de 179.872 libras de carne de caranguejo no valor de mais de US $ 4 milhões. A fraude ocorreu entre 2012 e 2015, e o produto era rotulado como caranguejo azul.

“A má rotulação de frutos do mar é uma fraude para o consumidor que prejudica os esforços dos pescadores honestos e livres ao desvalorizar o preço dos frutos do mar domésticos”, afirmou em comunicado o procurador norte-americano G. Norman Acker III, do Distrito Leste da Carolina do Norte. “Neste caso, o esquema fraudulento desinflou artificialmente o custo do caranguejo azul doméstico e deu a Carawan uma vantagem econômica inaceitável sobre os concorrentes cumpridores da lei.”

A sentença por rotular falsamente carne de caranguejo pode ser de até cinco anos de prisão e multa de até duas vezes o ganho bruto, que neste caso é de US $ 8.165.682.

Com informações do Departamento de Justiça dos Estados Unidos.

Últimas notícias

Veja mais notícias