Publicado em 18 de abril de 2020 por Laura Quariguazy - Vinhos
Estudo revela como o resveratrol, antienvelhecimento do vinho tinto, funciona
Baixas doses de resveratrol, presente no vinho, podem imitar o estrogênio, ativando proteínas chamadas sirtuínas

Embora numerosos estudos tenham provado os benefícios potenciais do resveratrol, um composto polifenólico encontrado no vinho tinto e em muitas plantas, os cientistas ainda estão tentando entender seu impacto no corpo humano.

Em um estudo recente da University College London, Dr. Henry Bayele encontrou uma explicação interessante para seu potencial como substância antienvelhecimento. A equipe do Dr. Bayele descobriu que o resveratrol pode imitar o hormônio estrogênio no corpo humano para ativar proteínas antienvelhecimento chamadas sirtuínas, que podem ajudar a prevenir problemas de saúde relacionados à idade.

O estudo, publicado no Scientific Reports, explora os compostos ativadores da sirtuína na dieta. Essas proteínas produzidas pelo organismo protegem contra várias condições, incluindo obesidade, diabetes tipo 2, câncer e doenças cardiovasculares e neurodegenerativas.

“As baixas doses de resveratrol encontradas em um copo comum de vinho tinto devem ser suficientes para ativar as sirtuínas. Simplificando, para vinho tinto ou resveratrol para melhorar a saúde, menos é mais”, comentou o cientista.

Com informações da Wine Spectator.

Últimas notícias

Veja mais notícias